Moçambique: País firme rumo à digitalização

2020-10-11
Fonte: ARECOM
Foto por: ARECOM

O País caminha firme rumo à digitalização, declarou o Ministro dos Transportes e Comunicações, Janfar Abdulai, no ato de inauguração, no dia 24 de setembro, na localidade de Nambilange, no distrito de Majune, província do Niassa, do Projeto de Extensão da Telefonia Móvel Celular-Fase V. Na ocasião, condenou veementemente casos de vandalização de infraestruturas de telecomunicações e apelou ao seu combate.

Segundo o Ministro, o projeto tem como objetivo prover o serviço telefónico de voz e de Internet de banda larga para a população. Para o efeito, foram instaladas estações base de telefonia móvel celular de banda dupla de segunda geração para o serviço telefónico vocal e de terceira geração, com vista a prover serviços de Internet de Banda Larga, explicou.
A Governadora da província do Niassa, Elina Judite Massengele, o Presidente do Conselho de Administração do Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique (INCM), Américo Muchanga, representantes da Movitel, líderes comunitários, entre outros convidados, tomaram parte deste importante acontecimento que marcou o início de ligação ao mundo de um ponto remoto do país, chamado Nambilange.
Segundo o Ministro, o projeto é avaliado em cerca de 400 milhões de meticais e beneficia aproximadamente 260 mil habitantes das 30 localidades contempladas. A estação de telefonia móvel celular da localidade de Nambilange hoje inaugurada é parte do Projeto de Extensão da Rede de Telefonia Móvel Celular – Fase V.
As localidades são das províncias do Niassa, Cabo Delgado, Nampula, Zambézia, Sofala, Manica, Tete, Inhambane e Gaza. Só na província do Niassa, o projeto contemplou três localidades, nomeadamente, Nambilange, no distrito de Majune, Lupilichi, no distrito de Lago, e Messenguesse, no distrito de Marrupa.
Com a tecnologia aqui instalada é possível atingir-se uma velocidade de processamento de dados que vai permitir a população de Nambilange, Lupilichi, Messenguesse e de todas as 30 localidades abrangidas pelo projeto, a terem uma qualidade de Internet igual a de Lichinga, Nampula, Maputo ou qualquer parte do mundo”.
Para Janfar Abdulai, a população pode ter acesso a serviços de e-banking, aulas à distância, realizar ou participar em reuniões on-line; participar em videoconferências, fazer pesquisas, aceder a programas televisivos em direto, â informação meteorológica, entre outros.
É de referir que foram investidas estações de rádio base modernas e de baixo consumo de energia que suportam tecnologias de Segunda e Terceira Gerações, com possibilidade de expansão para a tecnologia de Quarta e Quinta Gerações de telefonia móvel celular, assim que se mostrar imperioso.

Sobre Enquadramento do Projeto
Na sua intervenção, o titular da pasta dos Transpores e Comunicações afirmou que o projeto de expansão da rede de telecomunicações enquadra-se na implementação da Estratégia Nacional de Banda Larga, cujos principais objetivos são a expansão e modernização da infraestrutura nacional de transmissão, conceção e implantação de redes de acesso, desenvolvimento e utilização de conteúdos locais, universalização dos serviços de banda larga e proteção dos utilizadores dos serviços de banda larga.
Os operadores de telefonia móvel celular têm estado a investir na modernização das suas redes de transmissão e na extensão de serviços de banda larga a nível nacional e, como resultado, “apraz-nos constatar que o País caminha firme rumo à digitalização”, disse. Indicou, a título de exemplo, o facto de todas as capitais provinciais e alguns municípios, incluindo sedes distritais beneficiarem de serviços de quarta geração.
Todas as sedes distritais estão cobertas pelos serviços de banda larga, prosseguindo o desafio de estender os serviços de banda larga para todos os postos administrativos e localidades.

Qualidade de serviços continua preocupante
Não obstante os melhores resultados que temos vindo a alcançar com a expansão da rede de telecomunicações, preocupa-nos ainda a qualidade dos serviços prestados aos cidadãos”, declarou o Ministro.
E deixou um desafio ao INCM: “Desafiamos a Autoridade Reguladora das Comunicações a prosseguir com o trabalho em curso junto dos Operadores de Telefonia Móvel Celular para encontrarem uma solução para a melhoria da qualidade dos serviços de telecomunicações prestados ao público, tal como plasmado no Programa Quinquenal do Governo (2020 -2024)”.
Ele acrescentou que o projeto de monitoria da qualidade dos serviços de Telecomunicações em implementação pelo INCM deve ser uma realidade nos próximos tempos, por forma a salvaguardar os interesses dos utilizadores dos serviços de telecomunicações no País.
Janfar Abduali defende que os operadores de Telecomunicações devem também melhorar “a sua rede de distribuição e comercialização de smart phones, cartões SIM e recargas nos postos administrativos e localidades, por forma a massificar o acesso dos seus serviços junto das populações das zonas rurais”.

Combater vandalização de infraestruturas
Casos de vandalização de infraestruturas de telecomunicações não escaparam às constatações bem informadas do Ministro. “Neste momento em que aumentam os casos de queimadas descontroladas e vandalização de infraestruturas, exortamos e apelamos a todos os nossos irmãos, a evitarmos as queimadas descontroladas e combatermos a vandalização".
Explicou que essas ações danificam as infraestruturas de eletricidade e telecomunicações e, por causa disso, "poderemos ficar sem energia e sem poder comunicar através dos nossos telefones, e sermos nós o motivo do atraso no desenvolvimento do nosso país!
Abdulai fez saber aos presentes que ainda existem dois milhões de moçambicanos sem acesso ao serviço telefónico, residentes em 197 localidades em todo o país. Como Governo, garantiu ele, “continuaremos a criar o ambiente necessário para completar o acesso ao serviço de telecomunicações a todas as localidades do País, meta estabelecida no Plano Quinquenal do Governo (2020/2024)”.

Iniciativa de grande Utilidade Pública
Américo Muchanga, PCA do INCM, sublinhara na sua intervenção que se encontravam em Nambilange, “para testemunhar a entrega de mais uma iniciativa de conectividade das zonas remotas do nosso país e de grande utilidade pública”.
E disse “os porquês” dessa utilidade pública: vai permitir aos jovens deste local estarem ligados a outros lugares do mundo ;as ligações por via de wifi / internet vêm neste momento difícil desta pandemia fazer a diferença, pois permitirão, por exemplo, que os jovens estudem, que se faça pagamentos de compra / venda dos produtos das machambas, que enviemos dinheiro para os nossos pais, que se reduzam distâncias para aquisição de bens ou serviços, entre outras vantagens da conectividade.
Estamos assim a ajudar a materializar o Plano do Governo na instalação deste tipo de infraestruturas, para manter o país permanentemente ligado, promovendo a expansão da telefonia móvel celular e a inclusão digital em zonas rurais”, defendeu Américo Muchanga.

Setembro 2020

Bookmark and Share