O Acesso à Banda Larga para todos em África implica custos de USD 100 mil milhões

2019-11-07
Fonte: The World Bank
Foto por: Christina Morillo by Pexels

Em África, onde menos de um terço da população tem acesso à ligação de banda larga, para se conseguir acesso universal, de baixo preço e boa qualidade à internet até 2030 irá exigir um investimento de USD 100 mil milhões. Isto segundo um relatório lançado nas Reuniões Anuais do Grupo Banco Mundial, que apela a medidas urgentes para reduzir o fosso no acesso à internet e, simultaneamente, fornece um roteiro para se atingir esta meta ambiciosa.

O relatório do Grupo de Trabalho da Banda Larga para Todos (*) apresenta ideias práticas e sugestões do que é necessário para se alcançar este objetivo, incluindo um plano de ação para conectividade universal de banda larga em África. Para se alcançar acesso universal à banda larga, os países africanos terão de colocar online mais cerca de 1.100 milhões de pessoas. Para tal, serão precisos esforços excecionais e coordenados dos governos, do sector privado, dos parceiros de desenvolvimento e da sociedade civil, diz o relatório, mas o investimento vale a pena.
A agenda digital é, em primeiro lugar e acima de tudo, uma agenda do crescimento e do emprego”, diz Makhtar Diop, Vice-Presidente do Banco Mundial para as Infraestruturas. “A população em idade activa em África deverá registar um aumento de cerca de 450 milhões de pessoas entre 2015 e 2035. Se as tendências actuais se mantiverem, menos de um quarto encontrará empregos estáveis. Alargar o acesso à internet significa criar milhões de oportunidades de emprego”.
Embora o número de ligações à banda larga em África tenha ultrapassado 400 milhões em 2018 (quase vinte vezes os níveis de 2010), a média de penetração regional da banda larga - incluindo conexões 3G e 4G - é de apenas 25% em 2018. A cobertura de banda larga móvel em África só abrange 70% da população. Até mesmo no Norte de África há uma grande margem para crescimento, onde as redes 4G cobrem apenas cerca de 60% da população. Desafios adicionais, tais como a falta de acesso a eletricidade fiável e a preços acessíveis dificultam ainda mais o acelerar do curso de transformação digital de África.
Segundo o relatório, aproximadamente 80% de todos os investimentos necessários estão directamente relacionados com a necessidade de lançar e manter redes de banda larga. No entanto, conectar os desconectados não se limita a infraestruturas: cerca de 20% dos investimentos necessários são para desenvolver competências dos utilizadores e fundamentos de conteúdo local e outros 2-4% seriam destinados a criar o quadro regulamentar adequado, refere o relatório. Se bem que o sector privado tenha conduzido a maior parte das iniciativas de banda larga de êxito, as agências públicas têm um papel crucial ao implementarem regulamentação do sector eficaz, corrigirem potenciais falhas do mercado e criarem condições para um sector de banda larga aberto e competitivo.
Em grandes partes de África estamos a assistir a uma falta de progresso no que toca a alargar o acesso e a cobertura de rede. A acessibilidade de preço está também a cair em muitas nações. A promoção de uma maior inclusão digital vai exigir uma colaboração mais eficaz e mais inovadora”, afirmou Doreen Bogdan-Martin, Directora Executiva da Comissão da Banda Larga para o Desenvolvimento Sustentável e Diretora do Gabinete para o Desenvolvimento das Telecomunicações da UIT. "Temos de alavancar os nossos pontos fortes e conhecimentos especializados. Os governos podem contribuir com políticas propícias a novas tecnologias, novos modelos de negócio e investimento. As políticas certas irão, por seu turno, facultar os incentivos ao sector privado para construção das infraestruturas e exploração das novas tecnologias e aplicações que irão induzir a procura”.
Conectar os 100 milhões de pessoas de zonas rurais e remotas, que não têm acesso às tradicionais redes móveis celulares, irá também exigir uma forte participação do sector privado, modelos de negócio inovadores e tecnologias alternativas, tais como soluções técnicas baseadas em Wi-Fi e satélite, refere o relatório.
Sejamos claros: nenhum interveniente, por si só, será capaz de cumprir a meta de 2030 e suportar o peso das necessidades de investimento de USD 100 mil milhões. Todas as partes interessadas têm de se unir e colaborar para concretizarem o acesso universal à internet a um custo acessível para todos os africanos”, diz Hafez Ghanem, Vice-Presidente do Banco Mundial para a Região África. Isto inclui a União Africana e comunidades económicas regionais; governos africanos e respectivas agências de investimento público; reguladores sectoriais; bancos multilaterais de desenvolvimento; Nações Unidas e outras agências de desenvolvimento; sector privado e grupos da sociedade civil e organizações não-governamentais.

(*) O Grupo de Trabalho sobre “Banda Larga para Todos: uma Infraestrutura Digital Revolucionária para África”, liderado pelo Banco Mundial, foi criado em 2018 sob os auspícios da Comissão da Banda Larga para o Desenvolvimento Sustentável, com o objectivo primário de identificar as necessidades de financiamento e os roteiros de políticas para aumentar a conectividade e alcançar cobertura total em África. O relatório recorre às competências especializadas dos Comissários da Banda Larga e aos peritos de todo o mundo.
Acerca da Comissão da Banda Larga para o Desenvolvimento Sustentável: A UIT e a UNESCO criaram a Comissão da Banda Larga para o Desenvolvimento Digital em 2010 com o objectivo de elevar a importância da banda larga na agenda da política internacional e de expandir o acesso em todos os países como medidas fundamentais para acelerar o progresso com vista à consecução dos objectivos de desenvolvimento nacionais e internacionais. Na sequência da adopção dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), em Setembro de 2015, a Comissão foi relançada como a Comissão de Banda Larga para o Desenvolvimento Sustentável para mostrar e documentar o poder das TIC e das tecnologias baseadas na banda larga para o desenvolvimento sustentável. Os membros incluem os principais CEO e líderes da indústria, decisores políticos seniores e representantes governamentais, agências internacionais, mundo académico e organizações ligadas ao desenvolvimento.

Outubro 2019

Bookmark and Share