Facebook investe no e-commerce com a expansão do Marketplace

2017-09-08
Fonte: Forbes
Foto por: Facebook

Os smartphones representam apenas cerca de um quarto das compras digitais nos EUA. Mas o Facebook não quer perder a oportunidade naquele que está a tornar-se um importante hábito do consumidor.

No passado dia 11 de agosto, a empresa de media social disse que o seu "separador" de compra-e-venda pelo telemóvel, Marketplace, está a ganhar forma e em breve estará disponível na Europa. O Marketplace, que compete com sites de comércio eletrónico como o Craigslist e o Ebay, estreou-se nos EUA em outubro e desde então expandiu-se para mais seis países: Austrália, Canadá, Reino Unido, Nova Zelândia, Chile e México. Agora, este "separador" está a ser lançada em 17 países da Europa, como França, Alemanha, Irlanda, Itália, Espanha, Suécia e Suíça, entre outros. O Facebook não partilhou a quantidade de pessoas que usam o Marketplace a cada mês. No entanto, a empresa disse que 18 milhões de itens foram publicados no Marketplace nos EUA, apenas em maio, e que esse número continua a subir. Cerca de 550 milhões de pessoas visitam os Grupos de Facebook de "compra-e-venda" formalmente, o que sugere que a oportunidade do Marketplace é significativa.
Em comparação, o eBay está disponível em mais de 30 países e 171 milhões de pessoas usaram o site no último trimestre. Cerca de 55 milhões de pessoas visitaram Craigslist em fevereiro, de acordo com a ComScore. (no ano passado, a Craigslist gerou mais de US $ 690 milhões em receita, de acordo com uma estimativa da empresa de pesquisa AIM Group.) O comércio eletrónico móvel está a crescer rapidamente. Espera-se que as vendas de comércio eletrónico por smartphones excedam US $ 100 mil milhões este ano apenas nos EUA, de acordo com a empresa de previsão eMarketer. Em 2021, as vendas por smartphones, nos EUA, gerarão mais de US $333 mil milhões e representarão 80,5% de todas as compras de comércio eletrónico de varejo, disse o eMarketer. O Facebook está a apostar que os dados de identidade da sua aplicação, que reduz o anonimato e interliga amigos de amigos que vivem nas proximidades, serão a chave para a configuração do Marketplace. "Este é o comércio baseado em pessoas, há identidade real", disse a vice-presidente do Marketplace, Deborah Liu, numa entrevista."Pode ver os amigos comuns. Isso é realmente diferente do que está lá fora - Estamos a conectar seres humanos às pessoas".
O Marketplace permite aos usuários do Facebook navegar rapidamente ou criar posts para venda. O Facebook conecta compradores e vendedores através do chat Messenger, que também aceita pagamentos, juntamente com outras ferramentas, como a capacidade de partilhar a localização de alguém ou enviar uma mensagem de voz ou videoclipe, aumentando a conveniência. Liu descreveu a base de usuários do mercado como "ampla", diminuindo os dados demográficos.
Para promover a segurança do usuário e evitar a venda de itens ilícitos ou ofensivos, as ferramentas de inteligência artificial do Facebook leem cada publicação que é partilhada no Marketplace, disse Liu. Os membros da comunidade que sinalizam um post também podem desencadear uma revisão manual. O Facebook concentrou-se em melhorar a busca e a segurança e expandir as categorias de produtos desde o seu lançamento. Os produtos mais populares no Marketplace tendem a ser itens domésticos, roupas, móveis e produtos para crianças, disse Liu. No entanto, o Marketplace adicionou categorias autónomas mais recentes, como ingressos e postos de trabalho, com o objetivo de ajudar as pequenas empresas a encontrar empregados.
"As pessoas vêm ao Marketplace para encontrar todo tipo de coisas - podem ser bilhetes ou podem ser empregos", disse Liu, acrescentando que o Facebook planeia continuar a adicionar categorias e a melhorar itens ao longo do tempo. "Há muita atividade".
O Facebook disse que a inspiração para o Marketplace veio de observar que um número significativo de pessoas estava organicamente a usar o Facebook para comprar e vender produtos em Grupos com base na sua geografia ou interesses. Por enquanto, o Marketplace é gratuito tanto para compradores quanto para vendedores.
"O que procuramos são pessoas que comprem, vendam e se conectem", disse Liu. "Queremos conectar pessoas que de outra forma não se encontrariam. É para isto que investimos muito - em como criar mais conexões entre pessoas".

Agosto 2017

 

Bookmark and Share