Marcelo Rebelo de Sousa discutiu serviço público dos correios com presidente dos CTT

2020-05-06
Fonte: Sul Informação/ Notícias ao minuto
Foto por: CTT - Correios de Portugal

O Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, recebeu, esta terça-feira, o presidente executivo dos CTT – Correios de Portugal, João Bento, com quem discutiu “o exercício do serviço público” da responsabilidade desta empresa “nestes tempos de confinamento”.

Esta informação consta de uma nota divulgada no portal da Presidência da República na internet após duas audiências que Marcelo Rebelo de Sousa concedeu, no passado dia 21 de abril, aos presidentes do grupo do setor da restauração Ibersol, António Vaz Pinto de Sousa, e dos CTT, João Bento, empresas do PSI20.
Segundo a nota, o Presidente da República “discutiu em particular com João Bento o exercício do serviço público da responsabilidade dos CTT nestes tempos de confinamento e limitação da mobilidade, também com a disponibilização de equipamentos de proteção nas suas lojas”.
Os CTT foram privatizados pela anterior governação PSD/CDS-PP em período de assistência financeira externa a Portugal. PCP, BE e PEV defendem a sua renacionalização, enquanto o PS admite alterações à concessão do serviço público postal, que termina no final deste ano.
Nos últimos dias, Marcelo Rebelo de Sousa tem estado a ouvir dirigentes de empresas cotadas em bolsa sobre o impacto da pandemia de Covid-19 e as suas perspetivas para os respetivos setores.

CTT: Compras online de particulares subiram "brutalmente"
O presidente executivo dos CTT, João Bento, disse hoje à Lusa que o correio registou uma "quebra substancial" durante o primeiro mês de restrições devido à covid-19, sendo que as compras 'online' de particulares (B2C) subiram "brutalmente".
Questionado sobre a atividade dos CTT no primeiro mês de restrições, devido à pandemia do novo coronavírus, o presidente executivo dos Correios de Portugal fez um pequeno balanço.
"Temos uma quebra substancial de correio, que inclui uma quebra" do que chega da China, "que tem alguma importância que ainda não sabemos quantificar", avançou.
Isto porque "parte dessa queda é atraso, porque esse correio vem agora de barco em vez de vir de avião", explicou o gestor.
Nas encomendas, também se registou uma "queda substancial no B2B [entre empresas]", pois "como fechou o comércio deixou de haver abastecimento às lojas", prosseguiu João Bento.
No que respeita ao segmento B2C [compras dos consumidores às empresas], registou-se "uma subida muito substancial", acrescentou, mas o peso ainda é pouco expressivo.
"Depois temos uma quebra com algum significado na dívida pública porque as lojas estão abertas menos tempo, mas sobretudo porque as pessoas vão menos às lojas", explicou o gestor.
Sobre o futuro, João Bento disse que acredita que "a quebra do correio não vai voltar para o que era, mas vai recuperar".
No caso do B2B Expresso, é possível que suba e no que respeita ao B2C, "que subiu brutalmente, vai continuar a ser muito mais elevado do que era no passado", uma vez que as pessoas "se habituaram mais a fazer compras 'online'".
Parte desta tendência "resulta do muito que temos feito no melhorar e facilitar as condições de adesão ao Dott ['marketplace' resultante da parceria entre CTT e Sonae]", acrescentou.
João Bento adiantou que "entraram [no Dott] já nas últimas semanas, em crise, 130 novas empresas".
Já nas iniciativas de lojas 'online' dos CTT, "nas primeiras quatro semanas já temos mais de 800 empresas a criar as suas lojas ou mesmo em atividade ou a vender", apontou.
Destacou ainda a iniciativa dos CTT de feiras regionais, onde conta já com 10 produtores a vender queijo.

Abril 2020

Bookmark and Share