"Ensina RTP" acolhe milhões de utilizadores em 5 anos de existência

2019-02-06
Fonte: RTP/ Jornal Económico
Foto por: RTP

Fez, no passado dia 11 de janeiro, cinco anos que o portal educativo Ensina RTP está acessível ao público através da internet. Um portal que pretende ser uma montra dos conteúdos produzidos pelos canais do serviço público com relevância para escolas, alunos e todos os interessados em temas educativos.

Com quase dois milhões de utilizadores por ano, o portal educativo da RTP, cinco anos após o arranque deste espaço multimédia, mantém o propósito inicial: ajudar a estudar, dar utilidade a entrevistas, reportagens e documentários contextualizados por uma equipa interna que funciona no âmbito da Direção de Multimédia.
O coordenador do Ensina RTP afirma que muitos dos conteúdos apresentados na plataforma não servem só os alunos e professores do Ensino Secundário, mas também alunos universitários.
João Barreiros, coordenador do Ensina RTP, afirma que muitos dos conteúdos apresentados na plataforma não servem só os alunos e professores do Ensino Secundário, mas também alunos universitários. Conteúdos educativos, muitos deles verdadeiras "jóias" históricas que o órgão de comunicação social RTP disponibiliza neste espaço.
Temos conteúdos aqui muito antigos, como por exemplo declarações do Egas Moniz, prémio Nobel, conteúdos que estavam na rádio, que nós divulgamos aqui. Mas também temos conteúdos que foram feitos a semana passada”, diz João Barreiros.

Governo português revê o contrato da estação pública em março
Na proposta de Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), o Governo já contemplava a revisão do contrato de concessão da RTP. Graça Fonseca irá avançar com a revisão do contrato da estação pública, assinado em 2015, em março.
O Governo irá usar a cláusula que prevê a possibilidade de revisão do contrato da RTP de quatro em quatro anos e avançar com a mesma em março, noticia o Expresso.
A informação foi confirmada ao semanário pelo Gabinete da ministra da Cultura, Graça Fonseca, não adiantando, contudo, detalhes. Por outro lado, o presidente do conselho de administração da RTP, Gonçalo Reis, sinaliza que os processos de revisão “são iniciados pelo acionista”.
Na proposta de Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), o Governo já contemplava a revisão do contrato de concessão da RTP, refletindo o facto de a estação pública ter passado a ter quatro canais na plataforma de televisão digital terrestre (TDT). O Governo comprometia-se a “promover (…) o alargamento da oferta da televisão digital terrestre através da abertura de concursos para mais dois canais destinados a operadores privados”, referindo também como objetivo “rever o contrato de concessão da RTP, redefinindo as tipologias dos serviços de programas, tendo em conta o aumento para quatro canais da RTP de acesso universal”.
A RTP e, mais exatamente, “as dotações associadas à contribuição sobre o audiovisual para financiamento do serviço público de rádio e televisão”, representam a maior fatia da despesa do Ministério da Cultura. Segundo as previsões inscritas no OE2019, a despesa total consolidada do Ministério da Cultura aumenta 12,6% este ano, face ao estimado para 2018, para 501,3 milhões de euros. Deste valor, 186,2 milhões de euros respeitam à receita sobre o audiovisual, que se mantém inalterada face à estimativa de 2018.
O orçamento previsto para a RTP ascende a 252,3 milhões de euros. “No sector da Comunicação Social, a RTP detém atualmente um financiamento estável e foi recentrada na lógica do serviço público, com uma forte componente educativa e cultural e uma lógica de programação diferenciada dos privados”, refere o OE.

Janeiro 2019

Bookmark and Share