Estações postais de Angola estão a ser reabilitadas

2017-11-14
Fonte: Jornal de Angola
Foto por: Correios de Angola

Mais de 100 estações postais dos Correios de Angola, destruídas durante o período de conflito armado, estão a ser reabilitadas, com o objetivo de aumentar o número de serviços nos locais mais recônditos dos municípios e comunas.

A informação foi avançada, em Luanda, pela Presidente do Conselho de Administração dos Correios de Angola, Maria Luísa Andrade, no decurso de uma palestra subordinada ao tema “A Importância dos Correios para a sociedade”, realizada no Centro de Imprensa Aníbal de Melo para saudar o Dia Mundial dos Correios, assinalado no passado dia 9 de outubro.
Maria Luísa Andrade disse que a província de Luanda já tem 70 por cento das estações reabilitadas e acentuou que o objetivo do Executivo é recuperar todas as estações postais da era colonial, em degradação devido ao conflito armado.
A responsável acentuou que, apesar da crise financeira que enfrenta atualmente, a empresa Correios de Angola implementou novos projetos na área financeira com a criação do Banco Postal e do Expresso e Logística.
A empresa, de acordo com Maria Luísa Andrade, recebe diariamente meia tonelada de malas de encomendas. Anteriormente, havia pouca procura dos serviços por parte dos cidadãos mas, com o desenvolvimento das novas tecnologias de comunicação, o número de clientes aumentou consideravelmente. “Através das redes sociais temos recebido muitas encomendas” de vários lugares do mundo, disse Maria Luísa Andrade.
As pessoas que mais recorrem à empresa vivem em Luanda, Huambo e Benguela, pelo facto de nestas províncias haver um número considerável de estrangeiros, que têm como preferência os serviços dos Correios de Angola, disse Maria Luísa Andrade.
A Presidente do Conselho de Administração dos Correios de Angola disse estar confiante no contínuo crescimento da empresa, porque “novos horizontes de negócios se avizinham com a retomada do crescimento da economia a nível internacional e nacional e devido ao mercado emergente de logística no país
Por sua vez, o Diretor-Geral do Centro de Imprensa Aníbal de Melo, António Mascarenhas, afirmou que a economia angolana tem registado avanços positivos, uma realidade que é resultante também do “excelente contributo prestado pelos Correios de Angola na arrecadação de receitas”.
Para António Mascarenhas, os Correios de Angola continuam a servir de principal veículo de entrega de correspondência, além de ser uma grande fonte de receitas para o desenvolvimento económico e social do país.
O diretor do centro de imprensa disse que, embora reconheça a importância das tecnologias de informação e comunicação, os cidadãos não podem esquecer que os Correios de Angola exercem um papel fundamental e determinante na sociedade, uma vez que a comunicação é uma necessidade básica para qualquer civilização.
A importância dos Correios é secular”, afirmou António Mascarenhas, para quem o serviço de correio continua a conservar um lugar de grande destaque no processo de comunicação das sociedades.
A Empresa Nacional de Correios e Telégrafos de Angola completa a 7 de dezembro 219 anos de existência e, atualmente, tem 900 funcionários. A empresa é membro da União Postal Universal (UPU) e tem em funcionamento 60 estações postais, distribuídas por todo o país. A empresa está a materializar, desde o ano passado, um Plano Diretor de Recuperação e Rentabilização, aprovado pelo Conselho de Ministros em Setembro de 2015. O plano representa um investimento público superior a 31,8 mil milhões de kwanzas.

Outubro 2017

 

Bookmark and Share